"Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela, tampouco, a sociedade muda." (Paulo Freire)
RSS

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

1º SEMESTRE: INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

INTERVENÇÃO NA LEITURA E ESCRITA

ATENDO APÓS O RECREIO GRUPOS DE CRIANÇAS NO CONTRA TURNO COM ATIVIDADES DIVERSAS INTERVINDO NAS DIFICULDADES APRESENTADAS.







INTERVENÇÃO INDIVIDUAL DE ESCRITA



CONTAÇÃO DE HISTÓRIA: A GALINHA RUIVA
 - INTERVENÇÃO: LEITURA, ESCRITA, INTERPRETAÇÃO E COORDENAÇÃO MOTORA FINA













LEITURA NA BIBLIOTECA:


PELAS PROFESSORAS






PELAS CRIANÇAS








ATUALIZANDO BLOG

OI GENTE DEPOIS DE TANTO TEMPO SEM POSTS QUERO PARTILHAR COM VOCÊS O CURSO QUE ESTOU PARTICIPANDO

CURSO DE FORMAÇÃO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - AEE - SALA DE RECURSOS - ÁREA DA SURDEZ EM MONTES CLAROS/MG PELO CAS - CENTRO DE CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO E DE ATENDIMENTO ÀS PESSOAS COM SURDEZ. BEIJOS

LISA SOUZA

sábado, 3 de agosto de 2013

PROJETO DE LEITURA:CULTIVANDO LEITORES


ESCOLA ESTADUAL PROFESSORA DÔRA BARBOSA
Decreto:24.564 – 22/03/85 – Portaria:484/85- 13/04/85
Av. Dr. Osório Adrião da Rocha, 438 – Centro – Cep: 39540-000
Fone/Fax: (38)383211.80 – São João do Paraíso/MG

PROJETO DE LEITURA
CULTIVANDO LEITORES


APRESENTAÇÃO

            O mundo está carente de cuidados e precisa da ajuda de todos nós. E qual é uma das áreas importantes para preservar e cultivar? Sem dúvida, o hábito da leitura.
            É importante que as sementes sejam muito bem cuidadas e selecionadas.
Não se forma bons leitores s eles não têm um contato íntimo com textos. Há inúmeras maneiras de fazer isso. O importante é que o material escrito apresentado às crianças sem interessante e que desperte a curiosidade deles.
As disposições favoráveis à leitura manifestam-se adesão a práticas sociais próprias do universo da cultura escrita. Inserir-se nessas práticas sociais implica comportamentos, procedimentos e destrezas típicas de quem vive no mundo da leitura, partindo desses pressupostos que, os professores das séries iniciais da Escola Estadual Professora Dôra Barbosa juntamente a supervisão pedagógica percebendo a necessidade de “cultivar” o hábito de leitura entre os alunos apontaram como ação de intervenção do dia-a-dia o  trabalho sistemático com o ato de ler.
Atitudes como gostar de ler, interessar-se pela leitura e pelos livros são construídas para algumas pessoas no espaço familiar e em outras esferas de convivências em que a escrita circula. Mas, pra outros, é, sobretudo na escola que o gosto pode e deve ser incentivado. Para isso é importante que a criança, perceba a leitura como ato prazeroso e necessário tendo os adultos como modelo.
Neste projeto pretende-se resgatar o ato de ler daqueles envolvidos na construção do conhecimento escolar; professor, alunos, pais e equipe pedagógica, pois só com esse compromisso é que se chegará aos êxitos almejados.
Percebe-se que se trata de uma posição desafiadora, morosa e trabalhosa, uma vez que concorremos com meios de comunicação de alta tecnologia, atração e sedução. Lançar mão desses recursos poderá ser uma ferramenta aliada à construção do ato de ler.


OBJETIVO GERAL

J  Disponibilizar a cultura escrita de maneira atrativa construtiva para estimular o desenvolvimento do gosto e do hábito de ler;
J  Apropriar do ato de ler para construção da escrita;
J  Reconhecer o valor da língua falada e escrita como meio de informação e transmissão de culturas.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS

J  Conhecer e apreciar várias histórias e textos de diversos autores nacionais e internacionais;
J  Promover momentos de leitura diariamente;
J  Apropriar do hábito de ler na construção da escrita em sala de aula;
J  Valorizar a leitura como fonte de fruição, estética e entretenimento;

METODOLOGIA

J  Aula expositiva dialogada e interativa;
J  Roda de leitura;
J  Dramatização;
J  Contação de histórias;
J  Empréstimo de livros;
J  Leitura oral e silenciosa pela professora e pelos alunos;
J  Histórias audiovisuais.
J  Escrita de fichas;
J  Produção de textos a partir da história explorada.

CRONOGRAMA


PERÍODO
ATIVIDADE
RESPONSÁVEL
MOMENTO
1
DIARIAMENTE
LEITURA DELEITE
PROFESSORA REGENTE
INÍCIO DA AULA
2
DIARIAMENTE
INTERVENÇÃO NA LEITURA
PROFESSORA EVENTUAL
APÓS O RECREIO
3
DIAS ALTERNADOS
EMPRÉSTIMO DE LIVROS
SUPERVISÃO E PROFª EVENTUAL
DURANTE A AULA
4
QUINZENAL/SEXTAS-  FEIRAS
CONTAÇÃO DE HISTÓRIA
PROFESSORAS/ SUPERVISÃO
APÓS RECREIO
5
QUINZENAL
HISTÓRIA AUDIVISUAL/ ESCRITA
SUPERVISÃO PEDAGÓGICA
INÍCIO DA AULA
6
ABRIL
APRESENTAÇÃO DO PROJETO AOS PAIS
PROFESSORAS/SUPERVISÃO
REUNIÃO DE PAIS
7
MAIO/ DIARIAMENTE
HISTÓRIA NOVELA
PROFESSORA REGENTE
TÉRMINO DA AULA
8
JUNHO/ SEMANAL
VISITA A BIBLIOTECA
PROFESSORA REGENTE/ SUPERVISÃO/ BIBLIOTECÁRIA
INÍCIO DA AULA
9
JULHO/ DIARIAMENTE
LEITURA COLETIVA
PROFESSORA REGENTE/ALUNOS
INÍCIO DA AULA
10
AGOSTO A NOVEMBRO
MALA VIAJANTE
PROFESSORA/ PAIS/ALUNOS
DURANTE A AULA
11
DEZEMBRO
CULMINÂNCIA
PROFESSORAS/ SUPERVISÃO/ PEUB/ ALUNOS/ PAIS
REUNIÃO DE PAIS

PROCEDIMENTOS

1.      Leitura deleite: o texto deve ser escolhido e preparado anteriormente. Pois trata-se de uma leitura prazerosa, então deve ser divertida e de fácil entendimento pelas crianças.
2.      Intervenção na Leitura: momento em que a Professora Eventual terá com os alunos que estão com dificuldades na leitura. Propondo textos simples para memorização dos sons das sílabas e textos maiores para os eu precisam adquirir fluência na leitura. Acontecerá todos os dias individualmente após o recreio, o aluno levará  o texto para casa para fixação da leitura.
3.      Empréstimos de Livros: Os livros deverão ser expostos para que as crianças possam escolher de acordo a sua preferência. O professor responsável deverá sugerir algumas histórias para as crianças que apresentam dúvidas e que não tem hábito de leitura. Os empréstimos acontecerão em dias alternados de acordo disponibilidade das professoras responsáveis.
4.      Contação de Histórias: Preparada com antecedência, a contação deve ser prazerosa e envolvente, com cantigas, movimentos e adereços.
5.      História audiovisual: Organizar as histórias e passar na TV ou data show. Para os alunos do 1º ano histórias mais curtas como fábulas e para os alunos do 2º ano histórias maiores como contos. Após apreciação do filme realizar atividade escrita realizada pela supervisão escolar.
6.      Apresentação do Projeto: Na reunião de pais cada professora deverá apresentar o projeto aos pais expondo a importância e objetivos, bem como a participação de todos. Neste dia é interessante que se conte uma história aos pais e entregue lembrancinhas referentes a história contada.
7.      História novela:  A partir de uma história maior divide-se capítulos que deverão ser contados com suspense todos os dias para os alunos, ou histórias auditivas.
8.      Visita a biblioteca da escola: Combinar com a bibliotecária da escola um momento de literatura na própria biblioteca da escola, para que os mesmos possam conhecer e desfrutar desse espaço tão importante da escola.
9.      Leitura coletiva: Ao receber os alunos todos devem se concentrar no pátio para audição de um texto feito pelos colegas no microfone.
10. Mala viajante: 1º  A professora apresenta o escritor a ser trabalhado naquele momento através de suas obras e biografia, em seguida conta-se uma história, explora e entrega um mimo que deve ser colado no caderno de leitura, após sorteia uma criança ser a próxima a conhecer outra obra do escritor, que leva o livro para casa para deleite com a família e retornar-se uma semana depois para a contação. Cada criança deverá trazer um mimo para seus colegas e professoras. A família que quiser pode participar desse momento na escola junto a criança.
11. Culminâcia : em aberto

AVALIAÇÃO

J  Observação do desempenho dos alunos em todo processo de leitura, inferência, interpretação e escrita;
J  Participação dos pais, alunos e professoras;


SUGESTÕES DE LEITURA:

J  Fábulas de Esopo
J  Fábulas de Monteiro Lobato
J  Fábulas populares
J  Pequenos contos populares
J  Autores:
1.      Ziraldo: Menino Maluquinho, O menino Marrom, Os dez amigos, Flicts, Juvenal
2.      Sylvia Orthof: Maria vai com as outras, Se as coisas fossem mães, Chora não! O sapato que miava.
3.      Ruth Rocha: Marcelo, Martelo, Marmelo; O reizinho mandão; A rua do Marcelo; A família do Marcelo; Quem tem medo do quê?
4.      Ana Maria achado: Menina Bonita do laço de fita; O menino Pedro e o seu boi voador; Dona Baratinha; Beijos mágicos; Beto, o carneiro; Palavras, palavrinhas, palavrões;
5.      Eva Furnari: Nós; Você troca; Não confunda Amigos do peito; Filó e Marieta; Bilico.
6.      Eliás José: Caixa mágica de surpresa; O amigão de todo mundo; Gente e mais gente; Bolo pra festa no céu
7.      Monteiro Lobato: Caçada de Pedrinho; Reinações de Narizinho; Memórias da Emília; histórias das invenções
8.      Enric Larreula: Todas as aventuras da Bruxa Onilda

J  Livros:
1.      A casa sonolenta;
2.      Marley
3.      Lila, e o segredo da chuva;
4.      Minha casa azul;
5.      Fugindo das garras do gato;
6.      Rápido como gafanhoto;
7.      Confusão no jardim;
8.      Bruxinha e Frederico;
9.      Que horas são;
10. Bom dia todas as cores;
11.  O menino que aprendeu a ver;
12. Toca de gente, casa de bicho;
13. Trava-língua, quebra queixo, rema-rema, remelexo;
14. A noite assombrada;
15. Falando pelos cotovelos;
16.  O valor de cada um;
17. Quase de verdade;
18. A margarida friorenta


“Nada lhe posso dar que não exista em você mesmo. Não posso abrir-lhe outro mundo de imagens, além daquele que há em sua própria alma. Nada posso dar a não ser a oportunidade, o impulso, a chave. Eu ajudarei a tornar visível o seu próprio mundo, e isso é tudo.”

HERMANN HESSE

Bom Trabalho!

Elisângela Souza Silva/ 2013 

1º SEMESTRE: PLANO DE AÇÃO DO ESPECIALISTA DA EDUCAÇÃO

                               SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO
                               Superintendência Regional de Ensino de Montes Claros
                                Diretoria educacional - dire
                                Divisão de Equipe Pedagógica - divep

SUGESTÃO: PLANO DE AÇÃO DO ESPECIALISTA DA EDUCAÇÃO

J    JANEIRO, última semana do mês: Providenciar a aplicação da avaliação dos alunos que ficaram para os estudos independentes.

J    FEVEREIRO, Primeiro encontro de trabalho: Reunião pedagógica para apresentação dos resultados da escola nas avaliações externas, apresentar aos professores o índice de retenção de alunos no último ano letivo, apresentar a proposta de trabalho e orientar o planejamento para o início das aulas e recepção dos alunos. Planejar as atividades a serem realizadas nas datas comemorativas de fevereiro e março (previsão).

J    FEVEREIRO, Primeiro ou Segundo encontro de planejamento: Avaliação do Plano de Intervenção Pedagógica do ano de 2012, Reestruturação e atualização do PIP para aplicação em 2013. Planejamento das atividades a serem realizadas nas datas comemorativas de fevereiro e março.

J    FEVEREIRO: Orientar a aplicação e preenchimento do Mapa de Resultados da avaliação diagnóstica em todas as turmas.

J    FEVEREIRO E MARÇO: Orientar os professores na elaboração do Plano de Curso, promovendo ciclos de estudo da Matriz Curricular.

J    FEVEREIRO E MARÇO: Analisar a leitura e escrita dos alunos do 1º ao 5º ano dos anos iniciais e 6º e 7º anos do Ensino Fundamental, arquivar as observações para acompanhamento durante o ano letivo e planejar junto aos professores as possíveis intervenções e montar o cronograma de atendimento.

J    MARÇO: Listar as datas comemorativas do ano letivo e planejar as respectivas atividades para as datas a serem comemoradas.

J    ABRIL: Planejar a organização do Jornal Mural para divulgação de curiosidades sobre as datas comemorativas e os conteúdos ministrados pelos professores, com o objetivo de gerar conhecimento e favorecer a prática da leitura rápida nos intervalos de recreio.

J    Identificar em cada turma os alunos em baixo desempenho (alunos BD PROALFA que estão no 4º ano de escolaridade e alunos de todas as turmas que apresentaram nota abaixo da média no primeiro bimestre), planejar junto aos professores as intervenções e fazer o acompanhamento sistemático para verificar os avanços apresentados pelos alunos – certificar se a aprendizagem realmente está acontecendo.


J    DURANTE O ANO LETIVO: Com a ajuda dos professores, montar o banco de atividades para subsidiar as atividades de intervenção e para suprir a falta de algum professor.

J    Montar o banco de atividades para a intervenção dos alunos em baixo desempenho. Orientar os professores na montagem do portfólio dos alunos que apresentam as maiores dificuldades na aprendizagem com o objetivo de analisar e pesquisar os problemas que geram a situação especial.

J    Elaborar junto aos professores o PDI dos alunos com necessidades educacionais especiais e de alunos que apresentam maiores dificuldades na aprendizagem e que ainda não foram diagnosticados pelo médico especialista.

J    Listar os nomes dos alunos que apresentam número preocupante de faltas para que a direção faça o encaminhamento ao Conselho Tutelar local.

J    Listar e disponibilizar aos professores materiais pedagógicos através de aparelho multimídia ou material impresso. Exemplos: Livros NAME 5º e 9º Língua Portuguesa e Matemática, Livros Gestar I e II de Língua Portuguesa e Matemática, antigos diagnósticos disponibilizados pela SRE e SEE, Sequências Didáticas e Sequências de atividades fornecidas pelas SRE e SEE.

J    Levantar temas, assuntos ou livros, filmes ou textos a serem analisados ou estudados no Módulo II, bem como observar os aspectos onde os professores apresentam maiores dificuldades para capacitá-los através do Ciclo de Estudos, atendendo orientações da SRE e SEE com a formação em serviço.  Exemplos: Filme Adorável Professor; Caderno de Boas Práticas do Professor (anos iniciais); Caderno de Boas Práticas do Projeto Educação de Tempo Integral; Novo Acordo Ortográfico Da Editora Melhoramentos; CBC;  Livro Na Sala de Aula- Celso Antunes; Padrões de Competência para Professores dos Anos Iniciais do Estado de Minas Gerais; Métodos e Processos de Alfabetização;  Níveis de escrita segundo Emília Ferreiro (Apostila Alfabetização e Letramento); Como trabalhar o conteúdo Espaço e Forma, Planejamento, Tratamento da Informação, Sequência Didática, Oficina de Produção de Textos (ver sugestão na Revista Gestão Escolar do ano de 2012 de janeiro a dezembro e Apostila Oficina de Produção de Textos elaborado pela Analista Educacional de SRE de Montes Claros Cleonice Gomes.

J    Orientar o planejamento e elaboração dos Planos de Aulas (ver modelo da Equipe PIP/CBC Montes Claros) e o preenchimento correto dos Diários de Classe. De acordo com cronograma montado previamente, apreciar e analisar os Planos de Aulas, Diários de Classe, diagnósticos a serem aplicadas, atividades ministradas em sala e cadernos dos alunos para verificar a sequência didática das atividades desenvolvidas e a organização dos alunos.  Quanto aos cadernos dos alunos, a análise e apreciação poderão ser realizadas de forma amostral, em cada sala dos anos iniciais.

J    Acompanhar o trabalho dos professores e verificar se está de acordo com a Matriz Curricular e CBC.

J    Coordenar as ações para a reestruturação do PPP, PIP e Regimento Escolar.

J    Coordenar ao longo do ano letivo o desenvolvimento de projetos que norteiam a prática pedagógica e geram aprendizagem. EXEMPLOS: Releituras de Obras de artistas como: Tarcíla do Amaral, Edgar Degas, Renoir, Maurício de Souza, Juan Miró; Projeto Soletrando; Chá Literário, Feira da Cultura, Feira de Ideias; Consciência Negra.

J    BIMESTRALMENTE: Verificar através de levantamento de dados do aproveitamento bimestral dos alunos para facilitar o acompanhamento pedagógico, o repasse de orientações nos horários de planejamento e melhor desempenho pedagógico nos conselhos de classe. Sugestão: Providenciar a cópia dos resultados bimestrais de aproveitamento do SIMADE e marcar na própria cópia alunos sem média, alunos com média e alunos acima da média, caracterizando assim alunos em níveis desempenho: baixo, intermediário e recomendável (se preferir, preencher ficha específica – ver sugestão da SRE). Realizar o concelho de Classe, orientar o planejamento das ações e estratégias seguintes para sanar as dificuldades dos alunos.

J    Nos anos iniciais, se necessário, promover oficina para divulgar os materiais pedagógicos e livros existentes na escola e algumas das possíveis atividades que poderão ser desenvolvidas em sala com esses instrumentos de ensino.
J    Orientar os novos professores que chegam à escola no planejamento das aulas e apresentar a proposta de trabalho elaborada no início do ano, bem como as Matrizes Curriculares- Anos Iniciais e CBC-Anos Finais e Ensino Médio.

J    Coordenar o Projeto de Leitura como grande parceiro no Plano de Intervenção Pedagógica. SUGESTÃO: Anos Iniciais: Em todas as turmas, começando com textos menores e com menor grau de dificuldade e progredindo para textos maiores e com maior grau de dificuldade ortográfica. Anos Finais do Ensino Fundamental e Ensino Médio: Professor faz uma lista dos livros existentes na biblioteca de acordo com os temas que quer abordar e a indicação da idade dos alunos, pede o PEUB para separá-los e de acordo com as etapas do projeto, vai orientando os alunos na leitura das obras, estipulando prazos, culminância, outros.

J    JULHO: Corrigir as situações problemas de progressão parcial e atualizar os registros pedagógicos e orientar os professores no registro do Diário de Classe.
AO LONGO DO ANO LETIVO: Avaliar em conjunto as ações propostas no Plano de Intervenção Pedagógica e ajustá-las, ou replanejá-las de acordo com as necessidades coletivos, tendo em vista a aprendizagem dos alunos.

J    NOVEMBRO E DESEMBRO: Organizar o fechamento do ano letivo: Reuniões de pais, alunos em progressão parcial, verificar o fechamento dos registros dos Diários de Classe, receber dos professores os materiais pedagógicos emprestados: Guias, CBC, outros.

J    DEZEMBRO: Coordenar a avaliação coletiva do ano letivo e anotar as novas sugestões para o ano letivo seguinte.

J    DEZEMBRO: Organizar com a ajuda dos professores a listas de alunos por turma e ano de escolaridade, separando-os com o olhar pedagógico, separando os alunos indisciplinados e evitando a formação de turmas homogenias.


ELABORAÇÃO: Valderice Gonçalves de Paula – SRE Montes Claros



MEU PLANO DE AÇÃO

                                              Escola Estadual Professora Dôra Barbosa
Decreto: 24.564-22/03/85 - Portaria: 484/85 – 13/04/85
Av. Dr. Osório Adrião da Rocha,438 - Centro – Cep. 39.540.000
Fone/Fax : (38) 3832 1180 - São João do Paraíso – MG

PLANO DE AÇÃO –  ANO 2013
SUPERVISORA PEDAGÓGICA: ELISÂNGELA SOUZA SILVA

AÇÃO
PERÍODO
$ 1ª REUNIÃO PEDAGÓGICA
!    01/02/2013
$ CONSTRUIR AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA DE PORTUGUÊS, MATEMÁTICA E COGNITIVA DO 1º E 2º ANOS
!    14/02 À 20/02
$ REALIZAR AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA NOS 1º E 2º ANOS
!    20/02 A 06/03
$ 1º ENCONTRO DE PAIS
!    22/02 E
$ CONSTRUIR TABELA COM RESULTADOS DA AVALIAÇÃO
26/03
$ ORGANIZAR INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA A PARTIR DOS RESULTADOS DAS AVALIAÇÕES
1ª SEMANA DE ABRIL
$ APLICAR DITADOS
MENSAL
$ APLICAR PRODUÇÃO DE TEXTOS
MENSAL
$ REALIZAR TESTE DE LEITURA DE TODOS OS ALUNOS DOS 1ºE 2º ANOS
MÊS DE MARÇO
$ ORGANIZAR ÁS REUNIÕES DE PAIS
FINAL DE CADA BIMESTRE
$ REALIZAR TESTE DE FATOS DA ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO PARA O 2º ANO
FINAL DE ABRIL
$ ORGANIZAR E ACOMPANHAR EXECUÇÃO DO PROJETO DE LEITURA
A PARTIR DE MAIO
$ ESTIMULAR O EMPRÉSTIMO DE LIVROS AOS ALUNOS (TURNO MATUTINO)
DIARIAMENTE
$ ORGANIZAR REUNIÕES DE MÓDULO 2
SEMANAL
$ PARTICIPAR DAS CAPACITAÇÕES OFERECIDAS PELA SRE OU SEE
SEMPRE QUE NECESSÁRIO
$ ORGANIZAR E PARTICIPAR DAS REUNIÕES ADMINISTRATIVAS, PEDAGÓGICAS, CONSELHOS DE CLASSE;
BIMESTRAL
$ REALIZAR INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA COM AS CRIANÇAS QUE APRESENTAM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM
DURANTE TODO O ANO LETIVO
$ ENCAMINHAR ALUNOS AO ATENDIMENTO ESPECIALIZADO, REFORÇO ESCOLAR OU SERVIÇO PÚBLICO DE SAÚDE
SEMPRE QUE NECESSÁRIO
$ OFERECER SUBSÍDIOS AOS PROFESSORES DURANTE REALIZAÇÃO DE PLANEJAMENTO OU NA PRÁTICA PEDAGÓGICA
SEMPRE QUE NECESSÁRIO/ BIMESTRAL
$ ORGANIZAR, ACOMPANHAR E PARTICIPAR DOS PROJETOS INTERNOS DA ESCOLA
NAS DATAS PREVISTAS EM CALENDÁRIO
$ COMUNICAR E ESTIMULAR AOS PAIS A PARTICIPAREM DA VIDA ESCOLAR DO SEU FILHO
SEMPRE QUE NECESSÁRIO
$ INTERESSAR-SE EM FICAR POR DENTRO DAS LEGISLAÇÕES EDUCACIONAIS
SEMPRE QUE NECESSÁRIO
Com Deus em 1º lugar nós podemos tudo, aqui, agora e sempre!

AMO O QUE FAÇO E FAÇO O QUE AMO!
ELISÂNGELA SOUZA SILVA